Morte de filhos de líder do Hamas não teve consulta ao alto escalão

Editors Choice

3/recent/post-list

Geral

3/GERAL/post-list

Mundo

3/Mundo/post-list
Na Mira do Povo

Morte de filhos de líder do Hamas não teve consulta ao alto escalão


Netanyahu informou que não sabia previamento sobre o ataque

Porto Velho, RO - As forças israelenses mataram três filhos do líder do Hamas, Ismail Haniyeh, em um ataque aéreo em Gaza sem consultar os comandantes seniores ou líderes políticos, incluindo o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, informou a mídia israelense nesta quinta-feira (11).

Citando autoridades israelenses graduadas, a agência de notícias Walla disse que nem Netanyahu nem o ministro da Defesa Yoav Gallant foram informados com antecedência sobre o ataque, que foi coordenado pelos militares israelenses e pelo serviço de inteligência Shin Bet.

A agência afirmou que Amir, Mohammad e Hazem Haniyeh foram alvos como combatentes e não por serem filhos do líder político do Hamas. Os militares israelenses não comentaram os relatos de que quatro dos netos de Haniyeh também foram mortos.

Nenhum comentário sobre a reportagem do Walla foi imediatamente disponibilizado pelo gabinete do primeiro-ministro ou pelos militares.

Cessar-fogo

A morte dos parentes de Haniyeh adicionou uma possível complicação às negociações de cessar-fogo para garantir o fim dos combates em Gaza em troca do retorno dos 133 reféns israelenses que ainda se acredita estarem presos no enclave sitiado.

Haniyeh disse que o Hamas tinha exigências "claras e específicas" para concordar com qualquer pausa nos combates.

"O inimigo está se iludindo se acha que alvejar meus filhos, no clímax das negociações e antes que o movimento envie sua resposta, levará o Hamas a mudar sua posição", afirmou Haniyeh na quarta-feira (10).

Os apelos globais por um cessar-fogo têm aumentado à medida que a guerra entra em seu sétimo mês, mas há poucos sinais de progresso nas negociações.

O Hamas está exigindo o fim da ofensiva israelense, a retirada das forças israelenses e a permissão para que os palestinos deslocados de Gaza retornem às suas casas.

Israel quer garantir o retorno dos reféns, mas afirma que não encerrará a guerra até que o Hamas seja destruído como força militar, e que ainda planeja atacar a cidade de Rafah, ao Sul, onde mais de um milhão de civis se refugiaram.

Irã

Com o conflito em Gaza em andamento, Israel também está se preparando para cenários em outras áreas, disse Netanyahu nesta quinta-feira, em meio à preocupação de que o Irã esteja se preparando para atacar Israel em resposta à morte de comandantes iranianos de alto escalão.

"Estamos nos preparando para atender às necessidades de segurança do Estado de Israel, tanto na defesa quanto no ataque", afirmou ele, em comentários divulgados por seu gabinete após uma visita a uma base da força aérea no sul de Israel.

Fonte: James Mackenzie – Repórter da Reuters

Postar um comentário

0 Comentários