Autoridade Palestina ameaça rever relações com EUA após veto na ONU

Editors Choice

3/recent/post-list

Geral

3/GERAL/post-list

Mundo

3/Mundo/post-list
Na Mira do Povo

Autoridade Palestina ameaça rever relações com EUA após veto na ONU


Americanos impediram reconhecimento da Palestina como Estado-membro

Porto Velho, RO - O presidente da Autoridade Palestina (AP), Mahmoud Abbas, condenou neste sábado (20) o veto dos Estados Unidos à integração da Palestina como Estado-membro de pleno direito na Organização das Nações Unidas (ONU) e avisou que irá reconsiderar as relações com Washington.

“Os líderes palestinos reconsiderarão as relações bilaterais com os Estados Unidos, de uma forma que garanta a proteção dos interesses do nosso povo, da nossa causa e dos nossos direitos”, disse Abbas em entrevista à agência da Palestina Wafa.

Dois dias depois de os Estados Unidos terem anulado o reconhecimento da Palestina no Conselho de Segurança da ONU, o presidente da AP defendeu que o veto norte-americano é “uma agressão flagrante contra os direitos, a história e a pátria” do povo palestino, acrescentando que a administração norte-americana “desafia a vontade da comunidade internacional”.

Doze dos 15 países membros do Conselho de Segurança votaram a favor da conclusão da integração da Palestina nas Nações Unidas, enquanto outros dois se abstiveram e apenas a delegação norte-americana se manifestou contra.

Para o líder da AP, a posição de Washington representa igualmente o “abandono de todas as promessas” relativas à solução de dois estados, como fórmula de paz entre israelitas e palestinos.

“Enquanto o mundo concorda com a necessidade de aplicar o direito internacional e apoia os direitos palestinos, os Estados Unidos continuam a apoiar a ocupação [da Palestina] e recusam-se a forçar Israel a parar a sua guerra genocida”, lamentou Abbas, aludindo à ofensiva militar que perdura há mais de seis meses na Faixa de Gaza.

Além disso, o líder palestino criticou que Washington feche os olhos ao “roubo de fundos” do território pelas autoridades israelitas, o que acaba por enfraquecer a AP, e acusou: “Dá a Israel armas e dinheiro que matam os nossos filhos e destroem as nossas casas”.

Abbas destacou que, apesar de tudo, “a causa de Palestina é inquebrável, imutável e firme” e deixou a convicção de que “os sacrifícios, a paciência e a resistência do povo palestinno derrotarão todas as políticas apoiadas pelos Estados Unidos”.

Durante várias semanas, os palestinos, com um estatuto inferior de Estado observador não-membro desde 2012, e os países árabes pediram ao Conselho de Segurança que aceitasse que um Estado palestino já reconhecido pela maioria das capitais tomasse um “lugar legítimo” na ONU.

Fonte: Lusa - Ramallah (Palestina)

Postar um comentário

0 Comentários