Header Ads

A nova cepa P.1 do coronavírus domina o Brasil e penetra na Bolívia



Até ontem, o Brasil registrava mais de 12 milhões de infectados e quase 300 mil mortes por coronavírus.

A cepa P.1 foi detectada pela primeira vez em viajantes do Brasil no Japão no início de janeiro de 2021. Cientistas postulam que essa mutação poderia ter se desenvolvido em Manaus, onde existem várias variantes do vírus, mas P.1 é a que se espalha mais rápido.

Posteriormente, vários países como Itália, Alemanha, Espanha, Portugal e Colômbia bloquearam a entrada de viajantes brasileiros, medida que já vigorava desde o ano passado nos Estados Unidos. A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) indicou que a variante P.1 foi identificada em 15 países e territórios das Américas.

“A proporção de casos com P.1 passou de 52% em dezembro de 2020 para 85% em janeiro de 2021” em Manaus, capital do estado do Amazonas, aponta outra seção do relatório da OMS, citado pelo portal UOL.

Cientistas brasileiros alertaram que já pode haver mutações das novas variantes do coronavírus que circulam no país, que se tornou o epicentro global da pandemia e uma ameaça para o mundo inteiro.

Estudo recente da Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz), considerado o maior centro de pesquisa científica da América Latina, diz que “ mutações preocupantes ” foram detectadas em cinco dos 27 estados do Brasil: Amazonas, Bahia, Maranhão, Paraná e Rondônia.

“ A contínua e ampla transmissão do SARS-CoV-2 no Brasil está gerando novas linhagens virais que podem ser mais resistentes à neutralização” do que as variantes anteriores, diz o relatório que afirma que o coronavírus pode estar “evoluindo para a geração de novas variantes” seriam mais transmissíveis e, portanto, mais perigosos do que os anteriores.

A pandemia no Brasil se agravou nas últimas semanas com um aumento acentuado no número de mortes e infecções, o que em parte foi atribuído à virulência de uma nova variante do Covid-19 que surgiu na Amazônia. Parece ser mais contagioso e pode escapar da imunidade fornecida por uma infecção anterior, dizem os cientistas.

Nas últimas semanas, o Brasil registrou em média 1.500 mortes por dia, ou seja, mais de uma morte por minuto. Segundo DW, além da falta de remédios e oxigênio, soma-se o colapso nas unidades de terapia intensiva, 80% das vagas estão ocupadas em 25 dos 27 estados. No caso do Rio, a situação é mais grave, é de 95%.

Em maio de 2020, Manaus sofreu o pior golpe. Mas quando tudo parecia voltar a uma certa normalidade e enquanto a curva de contágio se achatava, em janeiro de 2021, o número de mortes dobrou.

Os cemitérios desta cidade no norte do Brasil despertaram para voltar à morte. A falta de oxigênio medicinal, contrastada com a produção de caixões. O ritmo dos enterros aumentava hora após hora e a cidade de 2,2 milhões de habitantes no noroeste do Brasil estava mais uma vez na boca do mundo.

Segundo informes internacionais, a rede pública não se preparou para essa segunda onda, reclamando centenas de familiares que mantêm seus pacientes em casa por falta de leitos nos hospitais.

A cientista brasileira Margareth Dalholm diz que a nova cepa amazônica já se espalhou por vários estados do país e que vai aumentar significativamente o número de infectados, segundo a França 24. “A única saída é a vacinação e no Brasil deveríamos estar vacinando 1 milhão de pessoas por dia, a gente tem capacidade para fazer ”, diz o renomado pneumologista.

Por sua vez, a OPAS alertou na terça-feira sobre o "terrível" aumento dos casos de Covid-19 no Brasil, que também atinge seus vizinhos Venezuela, Bolívia e Peru, e destacou o aumento das infecções no Chile, Paraguai e Uruguai, segundo noticia a AFP .

“O vírus Covid-19 não está diminuindo nem a pandemia começando a desaparecer ”, advertiu Carissa Etienne, diretora da OPAS, escritório regional da Organização Mundial da Saúde (OMS), em entrevista coletiva.

“Infelizmente, a péssima situação do Brasil também afeta os países vizinhos . Os casos aumentaram na Venezuela, principalmente nos estados de Bolívar e Amazonas, que fazem fronteira com o Brasil ”, indicou.

“ Foi registrado um aumento de casos no departamento de Pando, na Bolívia, e a ocupação de leitos nas UTIs continua muito alta em Loreto, no Peru”, acrescentou.

Esta variante é capaz de infectar e reinfectar pessoas que tiveram coronavírus.

Outro estudo de pesquisadores do laboratório estatal brasileiro Fundación Oswaldo Cruz (Fiocruz) havia indicado que, em indivíduos infectados com P.1, a carga viral no organismo pode ser até dez vezes maior.

“Parece que a cepa marca um contágio mais rápido e mostra que mata mais rápido, estamos vendo que em três ou quatro dias as pessoas estão com o pulmão colapsado”, diz o médico boliviano Carlos Paz, de San Pablo.

“Não existe medicamento para diminuir a virulência do coronavírus. Essa cepa é mais transmissível que a anterior e isso infelizmente vai trazer mais mortes ”, acrescenta Paz.

Em Manaus, por exemplo, a primeira onda do coronavírus atingiu 76% de seus habitantes, de acordo com o que foi publicado pela revista científica Science. Com esse percentual, tão alto, a cidade deveria ter atingido a chamada imunidade de rebanho, disseram. No entanto, Manaus sofreu uma segunda onda de infecções.

Reportagem da BBC Mundo indica que essas mutações têm novas formas de entrar no corpo e de bloquear os anticorpos, portanto, produzem cargas virais maiores que estão relacionadas a casos mais graves da doença.

Por enquanto existem três variantes, mas os cientistas garantem que quanto mais o vírus circula, é claro com as pessoas que o carregam, maior é a probabilidade de novas mutações, portanto, manter as medidas de prevenção continua sendo a chave enquanto vacinamos aos poucos.

“Segundo relatos, a cepa brasileira P.1 já se disseminou praticamente em toda a América do Sul, então o que se informa um pouco empiricamente é que já a temos no país, já circula há várias semanas, a segunda onda tem tido com grande certeza e casos, em boa quantidade este tipo de cepa; No entanto, os relatórios da Organização Mundial da Saúde com base no monitoramento da genotipagem do vírus indicam que embora a taxa de contágio aumente, não está totalmente comprovado que é muito mais mortal, sabemos que é muito mais contagioso ”. , Afirma o Vice-Ministro da Saúde da Bolívia, Álvaro Terrazas.

A Bolívia enviou ao exterior amostras para análise e verificação de sua classificação.

A região das Américas é a mais afetada no mundo pela Covid-19: ela adicionou 54,4 milhões de infecções e 1,3 milhão de mortes desde que o novo coronavírus foi relatado pela primeira vez na China em dezembro de 2019, de acordo com uma contagem da AFP baseada em números oficiais.


Fonte: EL DEBER
A nova cepa P.1 do coronavírus domina o Brasil e penetra na Bolívia A nova cepa P.1 do coronavírus domina o Brasil e penetra na Bolívia Reviewed by editor on quinta-feira, março 25, 2021 Rating: 5

Recent Posts

Recent